terça-feira, 5 de maio de 2015

DESPERTA-ME

Então chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se muito. Então lhes disse: A minha alma está cheia de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo. E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres. E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo? 
(Mateus 26:36-40)

Jesus estava se preparando para uma momento crucial de sua obra de redenção do mundo. No Getsêmani (Lagar das oliveiras) a Videira-verdadeira teve sua alma esmagada (começou a entristecer-se e a angustiar-se muito - alma triste até a morte{ Mt 26: 38 e Mc 14:34} – acalentado por anjos, seu suor se tornando em sangue {Lc 22:43 e 44}) para extrair o óleo pra curar toda a humanidade. Era um momento muito importante, mas os discípulos não conseguiram captar a dimensão daquele momento, sua percepção era terrena, sua conexão com os sofrimentos do mestre não era plena. Isso entristeceu o coração do Mestre, a falta de vigilância na oração. O que é orar? O que é vigilância em oração? Em 1 Tessalonicenses 5:17 a palavra diz orai sem cessar, ou seja precisamos viver uma vida de oração e uma vida em oração. Conectando o céu na terra, trazendo a presença do Senhor nas grandes e pequenas circunstâncias do dia-dia, mantendo viva a comunhão com Ele, atento ao que Ele está fazendo e ao que Ele deseja realizar através do seu reino em nossas vidas. Oração não pode ser um monólogo, deve ser uma troca (falamos e ouvimos), (compartilhando planos, desejos, emoções). Jesus queria compartilhar suas dores e alegrias e sonhos mas os achou dormindo.


1) DORMIMOS PELO CANSAÇO (Experiência de Êutico)


No primeiro dia da semana reunimo-nos para partir o pão, e Paulo falou ao povo. Pretendendo partir no dia seguinte, continuou falando até à meia-noite. Havia muitas candeias no piso superior onde estávamos reunidos. Um jovem chamado Êutico, que estava sentado numa janela, adormeceu profundamente durante o longo discurso de Paulo. Vencido pelo sono, caiu do terceiro andar. Quando o levantaram, estava morto. Paulo desceu, inclinou-se sobre o rapaz e o abraçou, dizendo: "Não fiquem alarmados! Ele está vivo! " Então subiu novamente, partiu o pão e comeu. Depois, continuou a falar até o amanhecer e foi embora. Levaram vivo o jovem, o que muito os consolou. (Atos 20:7-12)

Ouvimos muitos pregadores afirmarem que a causa da morte do jovem Êutico tenha sido o discurso prolongado (e possivelmente chato de Paulo) ou falta de percepção do jovem em meio ao culto, mas quanto contextualizamos podemos ver a história num outro ângulo.  O artigo “Defendendo Êutico” disponível no site reforma21.org diz o seguinte:

"Sem forçar demais a interpretação, espero que um retrato levemente mais favorável de Êutico e de Paulo comece a surgir. Por um lado, não é Paulo pregando um longo e tedioso sermão sem se importar com a capacidade dos ouvintes. Por outro, não é o tonto Êutico que simplesmente não consegue manter o foco ou é muito novo e fraco para acompanhar o ritmo.
O mais provável é que tenhamos aqui um grupo de cristãos sinceros e dedicados aproveitando a oportunidade de ouvir a Palavra de Deus do servo fiel do Senhor, Paulo, antes que ele vá para a próxima cidade. Eles se encontram quando podem, talvez no fim de um dia de trabalho (o que poderia ser bem tarde, para os escravos, sem mencionar outras ocupações, em um ambiente onde legislação de saúde e segurança laboral eram inexistentes). Eles chegam cansados, mas ávidos, acendendo as lâmpadas da sala para poder tirar o máximo daquelas poucas horas disponíveis. Sim, eles estão cansados (tanto o pregador quanto os ouvintes). Sim, está aconchegante. Mas essa é uma preciosa oportunidade, e eles estão dispostos a aproveitarem ao máximo."

Alguns estudiosos também sugerem que o inalar da fumaça das tochas que iluminavam o local, também provocariam o sono do rapaz. Muitas vezes adormecemos porque estamos exaustos nas coisas de Deus. Nossas tochas espirituais estão sendo queimadas ao extremo, nosso trabalho pra o Senhor pode nos fazer adormecer pra o nosso relacionamento com Ele. A tocha precisa ser reabastecida para durar mais uma noite. Cometemos o mesmo erro vez após vez. Queremos que o serviço nos leve até a revelação e a comunhão, quando o caminho é o contrário. Queremos fazer e não ser. Corremos de um lado pra o outro como Marta e suas preocupações em servir ao Senhor, disputando poder e posições de destaque, nos cansamos e adormecemos para Ele. 

Êutico estava exausto, e exaustos ficamos vulneráveis, o cansaço da sonolência nos tirar a capacidade de estarmos alertas, prejudica nossa capacidade de concentração de raciocínio, nossa percepção.
(1Co 11:28-30) Quando Paulo nos alerta sobre o risco de adormecemos espiritualmente por participarmos da ceia do Senhor não atentando para o verdadeiro culto, com verdade e pureza diante do Senhor. Tomar a ceia sem estar por inteiro consciente de toda seu propósito e sem um “santo temor” (reverência) nos afasta da real comunhão.
É preciso buscar renovação no seu caminhar com o Espírito Santo, esperar cada passo Nele. Em Isaías 40:30 e 31 diz: "Até os jovens se cansam e ficam exaustos, e os moços tropeçam e caem; mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam."

 2) DORMIMOS PORQUE NOS ACOMODAMOS (Experiência da Noiva de Cantares)

Eu estava quase dormindo, mas o meu coração estava acordado. Escutem! O meu amado está batendo: Abra-me a porta, minha irmã, minha querida, minha pomba, minha mulher ideal, pois a minha cabeça está encharcada de orvalho, o meu cabelo, da umidade da noite. Já tirei a túnica; terei que vestir-me de novo? Já lavei os pés; terei que sujá-los de novo? O meu amado pôs a mão por uma abertura da tranca; meu coração começou a palpitar por causa dele. Levantei-me para abrir-lhe a porta; minhas mãos destilavam mirra, meus dedos vertiam mirra, na maçaneta da tranca. Eu abri, mas o meu amado se fora; o meu amado já havia partido. Eu quase desmaiei de tristeza! Procurei-o, mas não o encontrei. Eu o chamei, mas ele não respondeu. As sentinelas me encontraram enquanto faziam a ronda na cidade. Bateram-me, feriram-me; e tomaram o meu manto, as sentinelas dos muros! Cânticos 5:2-7

Ela estava acomodada para dormir quando seu coração ouviu o noivo (riscos da primeira fase do sono). Sua inércia (Falta de ação ou falta de atividade, preguiça, indolência) provocou tristeza como consequência imediata (ver 4). E a obediência tardia nos traz dores originalmente desnecessárias. Deus não adiará o tempo da sua visitação pelo simples fato de não estarmos atentos as suas instruções. O noivo buscou outro lugar pra repousar quando foi rejeitado pela noiva.  Nossas preocupações com coisas que não são nosso Noivo podem nos distrair a ponto de não sermos aquilo que Ele planejou pra nós. Quanto mais nos acomodamos a este mundo, mais esquecemos nossa identidade no reino de Deus. Romanos 12 diz “não tomem o molde desse mundo” para que possam experimentar a vontade de Deus. Onde está o nosso tesouro? (Mt 6:21) Aqui ou com ELE?
Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá. Efésios 5:14

Deus está fazendo e irá fazer uma obra tremenda sobre a face da terra, o anseio do seu coração está aumentando para consumar sua segunda vinda, assim como no Getsêmane. Ele está preparando lugar, Ele está preparando seu grande avivamento. As intercessões do Espírito estão continuamente diante Dele. E seu desejo é contar com nossa vigilância, nossas orações, nossa parte no trabalhar do Reino Dele. Como estamos nós? Cansados, acomodados ou alertas ao soar da última trombeta? Estamos vigilantes a sua presença? Ou dormimos nela? Desperta-me, Senhor!