domingo, 7 de novembro de 2010

Reagindo nas tribulações (Salmo 55)

Salmos 55:4~8
O meu coração está dolorido dentro de mim, e terrores da morte caíram sobre mim. Temor e tremor vieram sobre mim; e o horror me cobriu.
Assim eu disse: Oh! quem me dera asas como de pomba! Então voaria, e estaria em descanso.
Eis que fugiria para longe, e pernoitaria no deserto. (Selá.)
Apressar-me-ia a escapar da fúria do vento e da tempestade.

Quando passamos por alguma dificuldade nossa tendência natural é procurarmos fugir. Abrirmos as nossas asas e corremos daquela situação terrível. Com a tribulação vem o medo, tentando tirar nossa fé e nos fazer desistir dos propósitos de Deus. Davi parece enfrentar a dor da traição ao escrever esse salmo. E ele deixa muito claro esse desejo de fuga em meio a suas angustias no verso 8. Mas a palavra nos compara a águia que no momento de tempestade realiza o seu maior voo e plaina sobre as circunstâncias adversas.

Salmos 55:16~18 e 22
Eu, porém, invocarei a Deus, e o SENHOR me salvará.
De tarde e de manhã e ao meio dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz.
Livrou em paz a minha alma da peleja que havia contra mim; pois havia muitos comigo.
Lança o teu cuidado sobre o SENHOR, e ele te susterá; não permitirá jamais que o justo seja abalado.

Não estamos sós na batalha da vida, pois existe um Deus Maravilhoso que está disposto a ouvir nosso clamor. E não somente a ouvir mas como a salvar-nos nos momentos de tribulação. O salmista diz: “livrou em paz a minha alma da peleja”, isso nos revela que mesmo nas situações adversas podemos ter a paz de Cristo, a paz que excede todo entendimento. E nos momentos finais Davi nos diz: “Lança o teu cuidado sobre o Senhor, e ele te susterá”. Entregue os seus problemas ao SENHOR, e ele o ajudará; ele nunca deixa que fracasse a pessoa que lhe obedece. (Sl 55: 22 - NTLH)