segunda-feira, 30 de agosto de 2010

COMPONDO EM MEIO AS TRIBULAÇÕES


Olá hoje quero compartilhar com vocês algo que acabei de receber do Senhor ao ler o Salmo 57: compondo em meio as tribulações.

Esse salmo(hino de louvor) foi escrito por Davi enquanto ele estava fugindo de Saul, escondido numa caverna. No seu conteúdo Davi expressa toda sua confiança em Deus mesmo estando em uma terrível situação, sendo perseguido pela maior autoridade de seu país apenas por puro ciúme.

Admiro a habilidade de que Davi tinha de se desvencilhar de todas as circunstancias a sua volta e focalizar-se somente na pessoa maravilhosa do nosso Deus. (Leia os salmos 31, 25 e 27) Nossos louvores precisam ser expressões de nossa fé e confiança em nosso Senhor Jesus mesmo que vivendo num mundo mal. Os primeiros hinos na história do cristianismo foram compostos para serem confissões de fé. É preciso que tenhamos sempre a convicção de Davi: “Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que opera por mim”. Até que ponto louvamos realmente a Deus? Será que estamos dispostos a adorar nas adversidades da vida? Como nosso coração expressa louvor a Deus numa situação difícil?

No verso 4 ele nos relata sua situação dizendo: “Minha alma está entre leões; deito entre bestas ferozes, homens cujos dentes são lanças e flechas, e cuja a língua é espada afiada. Quantas calúnias foram ditas a respeito de Davi, quantas pessoas o julgaram injustamente por fazer bem o seu trabalho? Porque o motivo da perseguição foi por Davi ser um ótimo soldado de guerra que amava e defendia o seu rei. Mas veja que no verso 7 ele se livra de todo esse sofrimento e perseguição e adora dizendo: “Meu coração está tranquilo, ó Deus, meu coração está tranquilo; cantarei e comporei salmos”. Use o seu dom para mostrar louvor e não ressentimentos pelas pessoas e situações. Tenho ouvido muitos louvores que só falam das circunstâncias, das perseguições, das dores. Não que seja errado expressar nossas feridas ao Senhor, mas se ficarmos apenas nisso ONDE ESTARÁ O LOUVOR?

Meus irmão precisamos ter em nossa vida essa mesma essência: adorar em todas as situações. Sermos como os primeiros cristãos que mesmo sendo humilhados, torturados, tolidos de sua liberdade e até mesmo mortos não negavam a sua fé e permaneciam fieis ao Senhor Jesus.
Sermos como nossos irmãos da igreja perseguida ao redor do mundo que não tem a sua vida como preciosa, mas o evangelho como precioso enfrentando regimes autoritaristas para terem o direito de louvar a Deus publicamente. Precismos entender que Deus continua digno de louvor mesmo nas tribulações da nossa vida.

LOUVEMOS POR ELE SER NOSSA ESPERÊNÇA, CONSOLO E FORÇA EM MEIO AS TRIBULAÇÕES.
Louvar-te-ei, Senhor, entre os povos; eu te cantarei entre as nações. (Salmo 57.9)