domingo, 7 de novembro de 2010

Reagindo nas tribulações (Salmo 55)

Salmos 55:4~8
O meu coração está dolorido dentro de mim, e terrores da morte caíram sobre mim. Temor e tremor vieram sobre mim; e o horror me cobriu.
Assim eu disse: Oh! quem me dera asas como de pomba! Então voaria, e estaria em descanso.
Eis que fugiria para longe, e pernoitaria no deserto. (Selá.)
Apressar-me-ia a escapar da fúria do vento e da tempestade.

Quando passamos por alguma dificuldade nossa tendência natural é procurarmos fugir. Abrirmos as nossas asas e corremos daquela situação terrível. Com a tribulação vem o medo, tentando tirar nossa fé e nos fazer desistir dos propósitos de Deus. Davi parece enfrentar a dor da traição ao escrever esse salmo. E ele deixa muito claro esse desejo de fuga em meio a suas angustias no verso 8. Mas a palavra nos compara a águia que no momento de tempestade realiza o seu maior voo e plaina sobre as circunstâncias adversas.

Salmos 55:16~18 e 22
Eu, porém, invocarei a Deus, e o SENHOR me salvará.
De tarde e de manhã e ao meio dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz.
Livrou em paz a minha alma da peleja que havia contra mim; pois havia muitos comigo.
Lança o teu cuidado sobre o SENHOR, e ele te susterá; não permitirá jamais que o justo seja abalado.

Não estamos sós na batalha da vida, pois existe um Deus Maravilhoso que está disposto a ouvir nosso clamor. E não somente a ouvir mas como a salvar-nos nos momentos de tribulação. O salmista diz: “livrou em paz a minha alma da peleja”, isso nos revela que mesmo nas situações adversas podemos ter a paz de Cristo, a paz que excede todo entendimento. E nos momentos finais Davi nos diz: “Lança o teu cuidado sobre o Senhor, e ele te susterá”. Entregue os seus problemas ao SENHOR, e ele o ajudará; ele nunca deixa que fracasse a pessoa que lhe obedece. (Sl 55: 22 - NTLH)

sábado, 25 de setembro de 2010

Mensagem do Pr. Paul Washer

O Pastor Paul Washer ficou mundialmente famoso através de um sermão publicado no youtube onde ele alerta jovens cristão a viver a verdadeira mensagem do evangelho de Jesus. Numa geração em que quase não se fala mais sobre arrependimento e mudança de caráter a palavra que Deus enviou por meio desse homem se torna um alerta e muito edificante.

domingo, 19 de setembro de 2010

Vencendo o pecado!

JEREMIAS 17: 1: O pecado de Judá está escrito com um ponteiro de ferro, e com um diamante pontiagudo gravado na tábua de seu coração e nas pontas de seus altares.

Esses dias estive lendo Jeremias e 17:1 e comecei a analisar sobre como podemos usar as armas de Deus contra o pecado em nossa vida. Pois a nossa maior guerra não é contra o inimigo, mas contra nós mesmos (a natureza pecaminosa). Espero que esse estudo o ajude em sua caminhada com Cristo.
Vencendo o pecado!
Por Carlos Santos
1) O pecado pode dominar a vida de quem se coloca sob o seu domínio.

Gênesis 4.7: Se tivesse feito o que é certo, você estaria sorrindo; mas você agiu mal, e por isso o pecado está na porta, à sua espera. Ele quer dominá-lo, mas você precisa vencê-lo.
Deus disse isso a Caim quando ele estava prestes a matar o seu irmão. E eu creio que sempre ouvimos isso de Espírito Santo num momento de tentação. Ele(o pecado) quer dominá-lo, mas você precisa vencê-lo.  

O inimigo pode colocar a granada em nossas mãos mais somos nós que escolhemos puxar pino e detoná-la. É por isso que Jesus disse: Portanto, se o seu olho direito faz com que você peque, arranque-o e jogue-o fora. Pois é melhor perder uma parte do seu corpo do que o corpo inteiro ser atirado no inferno. É claro que aqui é uma linguagem figurada, mas que deixa bem claro que somos nós escolhemos ou não em agradar a Deus. Pecar é um verbo (uma ação) que que não ocorre sem um sujeito. Somos nós mesmos que escolhemos o que iremos escrever na tábua de nosso coração. 
 
2) Jesus nos ajuda a vencer o pecado
Na antiguidade se escreviam em tábuas de metal (ou de pedras) com um estilete ponta resistente – ponta feita em ferro ou diamante que é o material mais duro que se conheça e é capaz de escrever em qualquer superfície sólida. Isso me faz pensar sobre nossa fraqueza diante do pecado. O Senhor Jesus disse a seus discípulos: “Vigiem e orem para que não sejam tentados. É fácil querer resistir à tentação; o difícil mesmo é conseguir.” Em Hebreus 4.15 está escrito: O nosso Grande Sacerdote não é como aqueles que não são capazes de compreender as nossas fraquezas. Pelo contrário, temos um Grande Sacerdote que foi tentado do mesmo modo que nós, mas não pecou. Jesus sabe de todas as nossas fraquezas ele foi tentado em tudo mas aprovado em cada situação. Podemos chegar a Ele e pedir que ele nos ajude a vencer em qualquer área de fraqueza em nossa vida. E Jesus nos falará em sua palavra que têm solução para cada situação, ele nos mostrará a estratégia para vencer aquele pecado.
Porque, embora tenha sido crucificado em estado de fraqueza, Cristo vive pelo poder de Deus. Assim nós também, unidos com ele, somos fracos; porém, em nossa convivência com vocês, estaremos ligados com o Cristo vivo e teremos o poder de Deus para agir. 2 Coríntios 13:4
Versículos Relacionados:
Pv 3.3: Não te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na tábua do teu coração.
2Co 3.3: Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração.
Imagem: http://www.4dream.com.br/wordpress/

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

COMPONDO EM MEIO AS TRIBULAÇÕES


Olá hoje quero compartilhar com vocês algo que acabei de receber do Senhor ao ler o Salmo 57: compondo em meio as tribulações.

Esse salmo(hino de louvor) foi escrito por Davi enquanto ele estava fugindo de Saul, escondido numa caverna. No seu conteúdo Davi expressa toda sua confiança em Deus mesmo estando em uma terrível situação, sendo perseguido pela maior autoridade de seu país apenas por puro ciúme.

Admiro a habilidade de que Davi tinha de se desvencilhar de todas as circunstancias a sua volta e focalizar-se somente na pessoa maravilhosa do nosso Deus. (Leia os salmos 31, 25 e 27) Nossos louvores precisam ser expressões de nossa fé e confiança em nosso Senhor Jesus mesmo que vivendo num mundo mal. Os primeiros hinos na história do cristianismo foram compostos para serem confissões de fé. É preciso que tenhamos sempre a convicção de Davi: “Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que opera por mim”. Até que ponto louvamos realmente a Deus? Será que estamos dispostos a adorar nas adversidades da vida? Como nosso coração expressa louvor a Deus numa situação difícil?

No verso 4 ele nos relata sua situação dizendo: “Minha alma está entre leões; deito entre bestas ferozes, homens cujos dentes são lanças e flechas, e cuja a língua é espada afiada. Quantas calúnias foram ditas a respeito de Davi, quantas pessoas o julgaram injustamente por fazer bem o seu trabalho? Porque o motivo da perseguição foi por Davi ser um ótimo soldado de guerra que amava e defendia o seu rei. Mas veja que no verso 7 ele se livra de todo esse sofrimento e perseguição e adora dizendo: “Meu coração está tranquilo, ó Deus, meu coração está tranquilo; cantarei e comporei salmos”. Use o seu dom para mostrar louvor e não ressentimentos pelas pessoas e situações. Tenho ouvido muitos louvores que só falam das circunstâncias, das perseguições, das dores. Não que seja errado expressar nossas feridas ao Senhor, mas se ficarmos apenas nisso ONDE ESTARÁ O LOUVOR?

Meus irmão precisamos ter em nossa vida essa mesma essência: adorar em todas as situações. Sermos como os primeiros cristãos que mesmo sendo humilhados, torturados, tolidos de sua liberdade e até mesmo mortos não negavam a sua fé e permaneciam fieis ao Senhor Jesus.
Sermos como nossos irmãos da igreja perseguida ao redor do mundo que não tem a sua vida como preciosa, mas o evangelho como precioso enfrentando regimes autoritaristas para terem o direito de louvar a Deus publicamente. Precismos entender que Deus continua digno de louvor mesmo nas tribulações da nossa vida.

LOUVEMOS POR ELE SER NOSSA ESPERÊNÇA, CONSOLO E FORÇA EM MEIO AS TRIBULAÇÕES.
Louvar-te-ei, Senhor, entre os povos; eu te cantarei entre as nações. (Salmo 57.9)

terça-feira, 13 de julho de 2010

MARQUE ESTA GERAÇÃO

Escrito por Carlos Santos

Deus está procurando por verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade. E creio que Ele também procura por pessoas que se coloquem a sua disposição para marcarem uma geração. Também creio que a música é um excelente veículo que nos conduz a adoração e a conhecer o próprio Deus através de experiências fantásticas.


Temos visto neste novo século Deus levantando uma nova geração de compositores para levarem sua palavra através de versos de canções.
Ao olharmos para a história da igreja temos inúmeros exemplos de músicas que marcaram seu tempo e continuam a falar aos nossos corações até hoje. Por exemplo da música “Nearer My God to Thee” (Mais perto quero estar), composta por Sarah Flower Adams para ser uma música especial para um sermão sobre a história de Jacó. E que se tornou conhecida pelo mundo todo, e até dizem que ela foi tocada no naufrágio do Titanic para confortar os tripulantes naquele terrível momento. Tenho certeza que Sarah nunca imaginaria que sua música serviria para um propósito tão tremendo. Deus usa as coisas que não são para confundir as que são. Isso é tremendo.

Não devemos ser uma geração que vive para nós mesmos, mas devemos buscar a vontade de Deus para nós, e buscar ser a vontade de Deus para nossa sociedade. As pessoas do mundo esperam por canções que sejam um veículo de Deus para consolar e para as conectar com o seu criador outra vez. Talvez você não tenha certeza de que Deus possa e queira mesmo usá-lo. Mas quero te dizer que Ele deseja sim usar a sua vida, com a unção que Ele preparou especialmente para você. Ouvi numa pregação esses dias que Deus nos dá dons para abençoar SEMPRE o outro.
Ouse, Deus pode alcançar alguém através da música e poesia que Ele colocou em você. MARQUE ESSA GERAÇÃO.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Reconstruindo o Templo

Escrito por Carlos Santos
Em Esdras 3 vemos o povo de Deus voltando do cativeiro babilônico para reconstruir o templo de Deus como Ele mesmo havia prometido (Ver Jr 29.10). Vamos aprender coisas maravilhosas aqui:

Adoração vence o medo.

No capítulo 3 verso 3 encontramos um maravilhoso testemunho: “Mesmo tendo medo da gente daquela região, eles construíram de novo um altar. Imagine a situação do povo voltando a Jerusalém depois de tantos anos, vendo sua terra dominada por outras pessoas e espiritualmente arrasada. Eles precisariam de muita coragem para desafiar a fé dessas outras culturas e proclamar o nome do Senhor naquela situação.

Para quebrar as barreiras do medo somente com a arma mais eficaz: Nossa confiança no amor de Deus por nós e nosso amor por Ele, que é nossa ADORAÇÃO. Adorar é amar a Deus mais do que a nossa própria vida e é essa devoção que nos faz vencer o medo, aliás, nos faz MAIS QUE VENCEDORES

Reconstruir sempre nos custará algo

No verso 7 vemos o povo ofertando para pagar a reconstrução. Reconstruir o nosso altar espiritual sempre nos custará algo: nosso tempo, nossa motivação, nossas forças. Reconstruir algo é sempre mais difícil do que construir algo novo, isso porque trás à tona frustrações geradas pelas tentativas passadas, colocando diante de nós a necessidade de se pagar maior valor. Adoro quando o Rei Davi diz: “Não darei ao Senhor coisas que são de vocês, coisas que não me custaram nada.” (1 Cr 21.24). Invista alto na reconstrução do seu templo de adoração ao Senhor.

Reconstruir nosso templo traz alegria e quebrantamento

No versículo 12 o povo de Deus estava alegre por ver os alicerces do templo sendo construídos. Os anciãos, que tinham visto o templo original, choravam e outros gritavam de alegria. A obra maravilhosa do Senhor em nossas vidas, nos deixa tão maravilhados que não sabemos se devemos rir ou chorar!

Acredito que o choro, aqui significa arrependimento diante do Senhor. Choramos envergonhados do nosso pecado e também choramos de alegria ao ver o imenso perdão que Deus dá. Os brados de júbilo significam a alegria de ter restaurada nossa comunhão com o Senhor.

Espero que essas palavras te abençoem e possamos buscar sempre a reconstrução do nosso relacionamento com Deus com risos e lágrimas, dando o nosso melhor e vencendo nossos temores pelo amor que sentimos por Ele

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Aprendendo com Esdras


Por Carlos Antônio Santos


Olá para todos os leitores do blog, hoje quero compartilhar algumas lições que encontrei no livro de Esdras. Este livro descreve a volta do povo a Jerusalém para a reconstrução do Templo. O Mestre da Lei Esdras ajuda o povo a reorganizar a sua vida religiosa e social a fim de que as tradições espirituais de Israel fossem conservadas.

Esdras 7.10a - “Esdras havia dedicado a sua vida a estudar e a praticar a Lei do Senhor...”

Dedicar-se a estudar e a praticar a palavra não era uma tarefa fácil na época de Esdras, pois ele estava numa terra que não era sua, inserido em outra cultura. O verbo dedicar aqui é realmente muito bem usado. Só podemos nos dedicar a algo que realmente esteja em nosso coração.
Na bíblia, o Senhor nos fala sempre em guardar, meditar e praticar sua palavra (Salmos 1, Salmos 119, Deuteronômio 11.1, Tiago 1.22-25, entre outros). Mas se não nos dedicarmos (esforço, muito esforço, disciplina) nunca seremos fortes aos ataques do inimigo e nunca conheceremos o Senhor profundamente. Como Esdras orientaria o povo sem conhecer a lei? O estudo da palavra é a chave para qualquer coisa no reino de Deus, é a porta para entrar em sua presença.

Esdras 7.27-28 – “Sabendo que o Senhor estava comigo..”
Veja que nesses dois versículos, Esdras louva a Deus e reconhece que tudo que fez foi pela força do Senhor. Um grande homem de Deus sempre terá consciência de que é nada e de que tudo é por causa do poder de Deus que opera em nós. Podemos ser o canal, mas o agir é do Espírito Santo.
Esdras reconhece suas falhas e temores: “Deus me animou...”, quantas dificuldades teria passado até conduzir o povo em segurança a Jerusalém. Quanto mais o conhecemos reconhecemos nossas fraquezas e somos conscientes que Ele é a razão do nosso sucesso.

Esdras 8.23 – “Jejuamos e oramos ... e ele nos atendeu.”
Esdras não era apenas um homem conhecedor da palavra, ele era uma pessoa de oração. Não adianta ter apenas conhecimento da palavra e não ter uma prática de oração. Nesse capítulo o povo iria fazer uma viajem perigosa, mas a primeira iniciativa de Esdras foi jejuar e orar. Ele até conhecia a misericórdia de Deus e a profecia sobre a volta do povo, mas ele coloca seus planos na altar de Deus. Que possamos ser pessoas que conhecem o Senhor e são conhecidas por Ele.

Esdras 9.5 – “Quando ouvi isso, rasguei as minhas vestes em sinal de tristeza.”
Esdras era alguém cheio de compaixão pelo próximo. Ao ver que o povo estava vivendo fora da vontade do Senhor, sofrendo no pecado, ele se comoveu e sentiu a dor daquele povo. Será que a situação das pessoas que perecem sem Cristo, e sem salvação, causa algum sentimento em nosso coração?
Esdras se humilhou diante de Deus em favor de seu povo. Mas ele não ficou apenas no sentimento de compaixão, ele foi orar por eles (Esdras 9.5). Mas ele não ficou apenas na oração ele agiu para reverter aquela situação (Esdras 10.1,5). O mundo já está cansado de palavras bonitas apenas, ele espera ação social de mim e de você.

Que assim como Esdras possamos também ser instrumentos de transformação em nossa sociedade. Que sejamos conhecedores da palavra da verdade, conhecidos pelo Senhor, movidos por sua compaixão e entregando todo reconhecimento a Ele.
A Deus toda glória. Deus te abençoe.