quinta-feira, 26 de março de 2015

Encontro de Adoradores: O Cântico de Liberdade!


Nosso próximo Encontro de Adoradores: Cântico de liberdade (Dia 28/03/15)! Orem por nós e se programe pra vir adorar conosco! 
"Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão." Gálatas 5:1
Lista de louvor dos nosso Encontro!

segunda-feira, 2 de março de 2015

Encontro de Adoradores: SENHOR DOS EXÉRCITOS

"Acontecia que, partindo a arca, Moisés dizia: Levanta-te, Senhor, e dissipados sejam os teus inimigos, e fujam diante de ti os que te odeiam. E, pousando ela, dizia: Volta, ó Senhor, para os muitos milhares de Israel." Números 10:35-36

Começamos a noite cantando o hino clássico "Aleluia - Jesus Cristo eu te amo" foi uma direção que o Senhor me trouxe no mesmo sábado: começaríamos declarando Aleluia (Louvado seja Deus) para que Ele criasse assim uma atmosfera de fé para as batalhas que seriam vencidas naquela noite. Em seguida li o salmo 27 (texto que o Senhor nos direcionou em toda preparação do EA).
A primeira canção da lista foi um medley de três canções antigas (Levanta-te, O caminho de Deus, Nosso general) onde pudemos nos alegrar no Senhor e celebrar por seu imenso poder que nos garante a vitória. Depois ministrei a canção tema "Senhor dos Exércitos" que fala sobre a confiança que temos pelo fato de Jesus ter vencido todas as nossas batalhas naquela cruz. Deus me levou a ministrar sobre a autoridade que temos em Cristo. "Não podemos ficar de mãos cruzadas, assistindo o inimigo destruir a nossa casa, nosso ministério, nossa vida. Dê nome aos seus inimigos espirituais e declare a vitória do Senhor sobre eles." disse.
Depois disso Rian Bruno ministrou "Deus é o meu refúgio" onde continuamos a nos alegrar e também nos confraternizamos declarando palavras de bênçãos uns aos outros. Em seguida, Rafaella Tenórioministrou "Pai dos órfãos", uma canção que fala sobre o cuidado de um Deus que se faz pai dos que não têm pai, se faz amigo dos que não têm amigos. Ela testemunhou dos momentos em que foi moldada pelo cuidado de Deus, em que foi acolhida no amor de Deus em tempos de deserto. 
A noite seguiu com Lucas Costa ministrando "Atrai o meu coração", senti que Deus estava nos levando ao seu abraço pra ali nos rendermos outra vez a Ele. Lucas ministrou sobre o motivo real que nos trazia àquele lugar. Depois cantou "Tu não desistirás até que tenhas tudo, meu coração é teu" e cada coração foi se aquietando pra descansar em entrega ao Senhor. Em seguida o Senhor me direcionou a fazer uma oração de arrependimento por tantas vezes buscarmos o Senhor visando suas mãos (aquilo que Ele pode dar), e não o buscarmos pela sua face (aquilo que Ele é). Deus me mostrou muitos corações que perderam a alegria, o primeiro amor no seu caminhar, que estavam fazendo da adoração um servir, uma obrigação sem o prazer de simplesmente contemplar o Senhor. Fomos levados a nos arrepender e receber renovação em nossa alma, enquanto cantávamos "Mais perto quero estar meu Deus de Ti".

Depois convidei Jacqueline Oliveira para orar pela Irmã Fátima que ministrou a palavra aos nossos corações. Ela com muita graça e unção nos fez aprofundar no Salmo 27, mergulhando em toda a experiência de Davi (do temor até o descansar, sendo a adoração a via que o conduziu de um extremo ao outro). Fomos muito edificados. Enquanto Ariana Clara dedilhava no violão Thalyta Poleandrea ministrou "Em tua presença" e o Espírito Santo nos levou a uma atmosfera de profunda adoração. Encerramos a noite com Caroline Nascimento ministrando as canções "abraça-me" e "como prometeste" onde o Senhor completou sua obra nos dando vitória e nos levando pra mais perto do seu cuidar em nossa vida, ao lugar onde estamos a salvo de qualquer ataque: no abraço do nosso Pai. Pr. Antonio Moura nos despediu com uma oração e com a bênção do Senhor.
Agradeço ao Senhor por mais esse experiência (nossa 20° noite de adoração). Obrigado a nossa amada Shekinah - Igreja Batista Independente que atendeu ao chamamento do Senhor. Obrigado a todosShekinah Louvor e Adoração (presentes e os que estiveram em oração). Vamos adiante, e nosso próximo desafio será "Cântico de liberdade" dia 28 de março. Deus têm muito mais pra nós!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

ENCONTRO DE ADORADORES ACÚSTICO (EP)

Há alguns meses atrás comecei um projeto de gravação (Home Studio) com algumas canções que o Senhor têm nos dado através das edições doEncontro de Adoradores, visando as registrar de forma bem simples e acústica, e com um pouco mais de qualidade de gravação. Entre as faixas do projeto estão "Abro a porta", "Até o fim", "Rei dos reis", "A fé que vence o mundo", entre outras. As músicas estão disponibilizadas no meu perfil no SondClound ( https://soundcloud.com/carlossantosjr ), inclusive para download gratuito. A minha oração é que essa mensagem cantada alcance e abençoe sua vida. 
E que Jesus Cristo seja louvado eternamente em nossos lábios e corações!

Encontro de Adoradores - A canção do céu




EA - A canção do céu (Recordar pra sempre com gratidão)

Foi uma noite inesquecível na presença do Senhor. A atmosfera de renovo estava no ar, e eclodiu em cada coração presente. Foi lindo ver uma quantidade bastante expressiva da igreja Shekinah - Igreja Batista Independente (jovens, adultos e crianças) buscando e adorando ao Senhor. Obrigado por acreditarem nesta visão.
Começamos a noite ao som do piano e voz cantando de forma bem simples o medley das canções "Me leva onde possa ouvir tua voz" e "Pra te adorar" onde nossos corações foram chamados à presença e aquietados pouco a pouco para aquilo que estava por vir.
Depois disso, com uma oração de abertura, o Pr. André (Livraria Arca Noé) clamou ao Senhor para que a bênção e a presença Dele estivessem presente naquele momento. Em seguida começamos a celebrar com a canção "O céu beija a terra" onde declaramos com alegria "tua presença está aqui". Depois introduzimos uma nova canção à igreja chamada "Nós clamamos" (versão de "we cry out" do Jesus Culture) que é na verdade, uma oração de arrependimento. Convidei a Pra. Cátia e ela ministrou sobre a necessidade de um reavivamento que começa no momento em que nos arrependemos. Ela pediu para que todos nós parássemos por um momento para refletir e orar.
Depois entoamos "Hosana" declarando com ousadia: "Eu vejo um povo eleito assumindo seu lugar". Quando nos arrependemos damos boas vindas (hosana) ao Senhor para que Ele nos (re)coloque em nossa posição na história, o centro de sua vontade. Em seguida Junior Limaministrou a canção "Restitui". "Restitui a tua presença em nossa vida" - clamou. A igreja declarava: "E o tempo que roubado foi não poderá se comparar a tudo aquilo que o Senhor tem preparado ao que clamar". Senti ali que o Senhor havia completado o primeiro propósito da noite, para que ouvíssemos a canção do céu - O arrependimento.
Dando continuidade, Caroline Nascimento ministrou a canção "Abro a porta" e falou sobre a necessidade de se entender o que cantamos ao Senhor. Ela também nos contou um lindo testemunho de como o Senhor a encorajou a continuar no ministério. Em seguida orei pelo Pb. José Edson, que nos trouxe a palavra do Senhor. Ele leu o Salmo 124 e nos mostrou que cantar a canção do céu é declarar o poder daquilo que Deus é, e do que ele faz. Nos apresentou alguns personagens da Bíblia que entoaram uma "canção do céu" em suas declarações. Ou seja, pessoas que ofertaram verdadeira adoração verbalizando sua devoção e confiança em Deus. Depois da palavra, ministrei a canção tema da noite "A canção do céu". Ela é uma oração por mais comunhão com o Senhor, mais sensibilidade a sua presença. Pude contemplar a igreja cantando com muita devoção e intensidade. Aqui havia completado o segundo propósito da noite, para que ouvíssemos a canção do céu - O anseio.
Logo após, Thalyta Poleandrea ministrou a canção "Santo". Ao tocarmos a introdução ela declarou o texto da visão do trono de Deus (Apocalipse 4) e nos conduziu em adoração nesta canção tão simples e tão profunda. Passamos um momento contemplando tão somente a glória do Senhor de forma tão singela. Era chegada a hora do terceiro propósito da noite - O avivamento.
Então senti no meu coração que deveríamos orar por reavivamento. Pedi que Rafaella Tenório levantasse um clamor. "Não precisamos de grandes moveres para sentir teu avivamento...nos leva além de emoções, nos leva de volta a tua palavra, Senhor" - declarou. A graça do Senhor nos tocava de forma linda, como brisa suave e ficamos simplesmente ali em sua presença declarando: "Não há outro igual só Tu és Santo".
Convidei nosso Pastor Antonio Moura para orar encerrando o EA e ministrando a benção apostólica sobre nós. "Senhor que as pessoas ao passarem por este lugar sejam atraídas pela canção do céu que flui dos nossos lábios e coração"- orou. E assim finalizamos o evento cantando "uma nova história Deus tem pra mim" com alegria e convicção de que viveremos dias abundantes na presença do nosso Deus.
Agradeço a todos que estiverem presente, todos que oraram pelo evento, em especial a todos integrantes do ministério de louvor. Agora que venha o próximo EA (dia 28 de fevereiro) com o Tema "SENHOR DOS EXÉRCITOS". Amo vocês demais!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Encontro de Adoradores: "Tesouro em vasos de barro"


Mas temos esse tesouro em vasos de barro, para mostrar que este poder que a tudo excede provém de Deus, e não de nós. 2 Coríntios 4:7

E com gratidão que venho anunciar nosso último 
Encontro de Adoradores desse ano. Creio que 2014 foi um ano de muitas batalhas, algumas quase tiveram o poder de nos parar, mas com absoluta certeza, todas elas contribuíram para o trabalhar do Senhor em nossa fé. Podemos olhar pra trás e declarar como o salmista: "Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos." (Salmos 119:71)

E é com esse sentimento que o Senhor me trouxe o tema: "Tesouro em vasos de barro" para ministrar-nos neste ultimo EA. Como diz em sua palavra em 2Co 4:7, Ele colocou um tesouro dentro da nossa frágil vida, pra demostrar ao mundo o seu poder perfeito através de pessoas imperfeitas. Queremos orar por nossas áreas frágeis e receber cura do céu, queremos louvá-lo por sua extraordinária obra em nós. Queremos prosseguir louvando e cumprindo seu chamado em nossa vida. Então venha adorar ao Senhor conosco no dia 13 de dezembro (às 19:00 h) na Shekinah - Igreja Batista Independente. Será uma noite linda na presença de Deus!



terça-feira, 15 de julho de 2014

Seleção de 198,7 milhões

Escrito por Carlos Santos Junior

Que o nosso país têm, ainda este ano, coisas mais importantes pra se conquistar do que um campeonato de futebol, isso todo mundo concorda. Mas não podemos ignorar o fato do futebol fazer parte da nossa cultura. E todos nós, dos mais simples aos mais letrados, do mais pobres aos mais ricos, sentem na pele o amor (platônico ou escancarado) pela seleção e por tudo que esse universo verde e amarelo que a copa representa.



É o escape da dor brasileira em ver e viver em hospitais sucateados, escolas abandonadas e presídios lotados. É a fuga da vergonha de viver em uma realidade em que os ladrões invadem as casas e os plenários. Contemplar uma fantasia é bem melhor que enxergar uma "justiça cega" que condena um pai de família, que num lapso de desespero erra e rouba uma margarina pra alimentar seus filhos, e ao mesmo tempo absolve mensaleiros bilionários. Gostamos de mergulhar nas ficções, e a maior parte do tempo de nossa audiência prova muito bem isso.

Mas não quero ser demagogo nem hipócrita agora que o Brasil perdeu de lavada da Alemanha, e dizer que não gosto de futebol ou que a COPA foi somente "panis et circenses", coisa de "otário" manipulado pelo sistema. Torci e torcerei muito pela seleção, meu "orgulho de ser brasileiro" não terminou quanto os 7x1 foi consolidado pelo apito do juiz. Vou guardar o que foi lindo na minha seleção: a chance e redenção da honra de um guerreiro goleiro, a dor de um jovem atacante sentida de forma sincera por toda uma nação, a humildade do coração menino de um zagueiro que nos representou com tanta raça e encheu de orgulho o futebol e o coração desse país.

Eu fico com a realidade que não passou na Globo, com a alegria demostrada nas ruas decoradas de verde, amarelo, azul e branco. No empenho e dedicação dos voluntários que trabalharam com amor. No sonho das crianças que apertaram a mão do seus craques. Na reunião das famílias, dos amigos, suas imagens postadas e risos no whatsapp. Fico com o nosso grito de gol, nossa celebração, nossos momentos de tensão e desespero na espera dele. Fico com nosso choro de desclassificação, fico com a esperança de que 2018 dias melhores virão. Guardo a fé de que um dia essa nação faça celebrações maiores que essa, mas não para celebrar um time de 11, mas um time de 3 em um. Celebre o amor, as famílias restauradas, as vidas curadas. Gol de placa no auxílio dos sem-esperança e ganhar de lavada da corrupção, do engano e da morte.

Creio que essa copa mostrou a nós e ao mundo inteiro o quanto somos belos, o quanto somos capazes de fazer as mudanças que tanto precisamos viver. E também nos lembrará da constante capacidade que o brasileiro tem de se superar, de se erguer a cabeça e seguir em frente mesmo nas situações mais terríveis. Então, parabéns para cada um de nós, dessa seleção de 198,7 milhões de brasileiros.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Quando o céu beija a terra (Avivamento com aliança)

Nosso Deus é um deus de milagres, sinais e maravilhas. Grandes coisas podem acontecer quando a presença de Deus é manifestada no meio de seu povo. Ele mesmo deseja andar no nosso meio (E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes serei o seu Deus - Êxodo 29:45), e evidenciar sua Presença Santa, trazendo santificação, salvação, libertação, cura e sinais (Marcos 16:17-18). Ele deseja beijar o planeta com sua graça, trazer à superfície da terra a atmosfera dos céus, a adoração que lá já existe, e que está destinada para o deleite de sua igreja pra sempre. O que faremos aqui é encontrar princípios que nos permitam ser adoradores que atraem SUA presença, que fazem o céu beijar a terra.


Moisés: Avivamento com aliança (Êxodo 33:7-10)
Deus se encontrava com Moisés numa tenda fora do acampamento, esse lugar era chamado de “Tenda do encontro” e ali uma nuvem de glória vinha e Deus falava com Moisés face a face (como se fala com um amigo). Algumas coisas são interessantes nessa passagem:

1°) A tenda era fora do acampamento. 

Com o episódio do bezerro de ouro se evidenciou que o povo era de “dura cerviz” e era impossível o povo conviver com a Santidade de Deus sem que fossem mortos. Por isso a tenda do encontro foi colocada fora do arraial do povo de Deus. O povo não estava preparado espiritualmente para conviver com um contato mais direto com o Senhor, então isso ficava com Moisés. Aprendo aqui que muitas vezes é necessário sair da multidão pra buscar algo mais profundo com o Senhor. As celebrações coletivas são muito boas, elas edificam nossa fé com o poder da unidade (Salmo 133), mas são insuficientes para a vida espiritual sadia de um cristão. Os grandes avivamentos não começaram com muitas pessoas, mas com pequenos grupos de oração, com simplicidade e sinceridade na busca ao Senhor.

É necessário se retirar do glamour das celebrações das multidões, assim como Jesus pra estar a sós com o Pai em oração (Mateus 14:23). Penso em Moisés e Josué andando pra longe do povo em direção do encontro com Deus, deixando pra trás o conforto de suas tendas, em meio ao calor ou ao frio do deserto, pra buscar direção de Deus pra toda uma geração (bem difícil e desobediente por sinal). Nós também precisamos aprender o caminho da solidão, do lugar secreto, da tenda do encontro, pra sermos resposta de Deus em nosso geração.

2°) As pessoas observavam Moisés entrar na “Tenda do encontro” na porta de suas tendas.
O que me chama atenção é o povo ficar somente observando Moisés sem nenhuma atitude, e a impressão que dá é de inércia, como se eles ficassem esperando se algo realmente iria acontecer com Moisés (se ele morreria, se iria mesmo a tenda, se Deus iria mesmo vir). Apenas Josué acompanhava o profeta do Senhor, o que nos mostra que a tenda não era apenas para Moisés, mas para todo que quisesse “buscar ao Senhor” (Ver Êxodo 33.7).

"Buscar" parece não ser um exercício muito bem quisto em nossos dias, parece que estamos muito mal acostumados esperando outros cavarem os poços por nós, outros receberem uma nova revelação da palavra por nós, outros adorarem pra trazer a presença de Deus que queremos ter, outros se levantarem como missionários por nós. Buscar sempre nos desafiará a sair do lugar de conforto para um compromisso, uma aliança. Deus não vai se manifestar no meio de pessoas descompromissadas com sua aliança (sua palavra). Buscar avivamento sem compromisso com os princípios da palavra é apenas buscar uma experiência “carnal-espiritual”, apenas um êxtase, um frenesi que nos toca por um breve momento e vai embora sem deixar as marcas de transformação do caráter de Cristo.

Os Céus só vem sobre aqueles que amam e se comprometem com ele, buscando-o mais que TUDO. É algo precioso demais, precisa ser cavado, minerado nas cavernas do coração.

3°) Todo povo via a nuvem, observava com atenção e se curvava para adorar.
A glória de Deus faz diferença na vida de que o busca. A vida de Moisés serviu como um testemunho para a toda aquela geração. A presença de Deus na vida de Moisés inspirava temor, respeito na vida do povo. A palavra diz que eles ao perceberem de longe a nuvem de glória, se prostravam para adorar. A própria presença de Deus é quem nos justifica. Gosto muito de um citação do
 famoso escritor, filósofo e poeta americano, Ralph Waldo Emerson, que diz: O que você faz fala tão alto que não consigo escutar o que você diz. Podemos ver que o realmente conta para a multidão não é o que se prega, mas o que se vive e como se vive. 
Como igreja temos sido desafiados a ir além dos domingos, além de uma religiosidade, mergulhar na profundidade da graça de um relacionamento com o PAI. É isso que vai causar impacto nessa geração, não será o ruído das nossas celebrações (Amós 5:23-24), será o som da adoração que serve, rio de justiça. Que nossas vidas inspirem adoração AO SENHOR aonde quer que passarmos.

Creio que esse encontro (relacionamento) de Moisés com Deus é muito rico de lições para nós hoje, creio que ele é um lindo exemplo do céu beijando a terra. Nos mostrando que esse encontro é algo muito mais que um momento tocando a glória, mas é uma vida inteira, (grande parte passando pelo deserto, mas sem perder a beleza da comunhão com o Salvador) imersos no rio da presença (Ez 47:1-12) que nos dá razão de ser e existir, nos fazem parte da incomparável glória de Deus.

Que Deus nos abençoe!

Carlos Santos Jr.


domingo, 5 de janeiro de 2014

PROSSEGUINDO NA VISÃO (a experiência de quem quase parou!)


Nos preparativos do nosso 7° EA* no ano passado, o Senhor falou ao meu espírito que aquela fase havia acabado, ouvi claramente no meu coração: "Sua fase está chegando ao fim." Não entendi naquele momento bem ao certo o que Ele estava a dizer, mas sabia que era algo relacionado ao ministério. Dias depois do EA o Senhor me fez entrar num período de silêncio, nada de novas direções, nada de novas inspirações, nada de novas canções, cheguei até a pensar que meu tempo no louvor havia realmente chegado ao fim. Meu Espírito ficou um pouco triste, depois te tantas confirmações e experiências, acabar tão rápido assim, pensei eu. Mas vi tanto a mão de Deus agindo todos esses quase 12 anos, que minha gratidão ao que Ele já fez me consolaram. Esse tempo de silêncio foi muito difícil pra mim porque desde então nunca parei de receber algo novo de Deus, sempre uma nova direção após outra, sempre novos desafios. 



Nesse momento aprendi coisas valiosas, que não devo buscar ao Senhor apenas na necessidade de servir, de organizar um encontro, de escrever uma nova canção. Não devo deixar que o "servir" seja maior que o "amar". No tempo que o céu "se fechou" pra mim, pude viver uma nova experiência com o Senhor. Escolher o buscar sem nada em troca, o buscar mesmo quando o silêncio dele falava mais alto que minhas motivações, entrar no lugar secreto deixando o "líder de louvor" do lado de fora. 

Lembro que um dia orei: "Senhor, tudo bem se for preciso abrir mão dos sonhos que a muito anos guardo no coração, seja onde for te servirei, seja como for te servirei." Aquela entrega trazia paz, e assim entendia que era o fim. Acho que Abraão se sentiu assim ao caminhar com Isaque rumo à Moriá, e assim caminhava eu com "meu Isaque", rumo ao aparente fim, como foram difíceis essas últimas ministrações, chegando cada vez mais perto do sacrifício.

Nos últimos dias de 2013, entrei em propósito com Deus, aparentemente parecia que nada havia mudado, mas eu queria que Deus falasse comigo, que ele me confirmasse mais, que não houvesse dúvidas nas minhas decisões para o futuro. Então no dia 1° o Senhor quebrou o silêncio, me trazendo uma nova direção para o EA, falou de forma clara "Tudo começa a partir desse lugar", Ele começou a me ministrar sobre isso, e já no dia seguinte surgiu uma nova melodia. Essa experiência foi pra mim uma confirmação do Senhor, foi o bradar do anjo: "Não estenda a mão sobre o rapaz e nada lhe faças; pois agora sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho" (Gn 22:12). 

Estou muito feliz em anunciar que permaneceremos a abençoar vidas através dos EA`s, grande é o nosso desafio mas Deus conta conosco. Deus conta com cada um de nós para que usemos os dons, que ELE mesmo nos deu, e nossas orações pra fazer parte de algo do céu impactando a terra. Então que venham os EA`s 2014, e muitos corações sejam edificados, a começar em nós. 

AMO E CONTO COM VCS! 
Att. Carlos Santos Junior

* O Encontro de Adoradores (EA) é uma noite de louvor e adoração promovida mensalmente pelo ministério de louvor e adoração Shekinah desde Abril de 2013. 

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

TUDO COMEÇA A PARTIR DESSE LUGAR!

Nem com o pé direito, nem com esquerdo. Estou começando 2014 com meus pés e coração firmados na rocha, no lugar certo, buscando AQUELE que realmente importa, aquele que conhece todas as coisas, meu passado, presente e também o futuro. Ao longo desses quase 12 anos vivendo com JESUS, a cada dia, descubro o prazer de estar nesse lugar. Não simplesmente porque eu preciso me preparar pra pregar, cantar, ministrar algo da parte Dele no coração das pessoas. Não pela "obrigação" de uma religião ou pela responsabilidade de ser um referencial numa comunidade cristã. 

Descubro que existe UM DEUS, UM PAI, ALGUÉM que me ama tanto a ponto de colocar dentro de mim esse desejo, que vem do seu próprio coração, um desejo de simplesmente compartilhar a vida. Um desejo de ouvir e ser ouvido, um desejo que não se contenta a esperar, que adianta o que estamos destinados a fazer na eternidade. Penso que de todas as coisas que podemos fazer aqui na terra apenas uma permanecerá, a ferrugem não corroerá, a traça não a destruirá, nenhum ladrão poderá roubar.

Que em 2014 nada seja maior marca em nossas vidas que isso, que nada tome mais tempo do que isso, que nada seja mais importante. Que o Senhor nos desperte e nos ajude, e que possamos ter, não apenas "um ano" marcante, mas que esse seja o ano que transformaremos o mundo levando SUA PRESENÇA do lugar secreto para as nações.
TUDO COMEÇA A PARTIR DESSE LUGAR!


Por Carlos Santos Junior

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

SONHO DO GRANDE ÔNIBUS


Sonhei que estava num grande ônibus com bastante gente, o trajeto dele era uma região muito pobre da cidade, uma região perigosa e era noite. A rua era como uma favela, com casas de taipa, a pista cheia de buracos, com muito entulho e lama, e era um caminho tão estreito que era a conta certa pro ônibus passar. 

Houve um certo momento da viagem em que o ônibus chegou a um grande batente, era muito alto, neste momento, eu e os demais passageiros pensávamos que iríamos ficar empacados. Mas o motorista, que estava vestido de palhaço, era um homem alegre e ficava orando o tempo todo, era uma oração simples mas que contagiava a todos nós. Ele agradecia a Deus, parecia, tipo aqueles “velhinhos de oração” nas igrejas pentecostais. Eu e meu irmão estávamos também com roupas de palhaços, semelhantes a do motorista.

Diante desse batente o ônibus parecia estar parado, o motorista forçava o motor do ônibus e orava, e o veículo ia pra frente, batia no batente e voltava. Isso se repetiu algumas vezes, mas o motorista continuou a orar e a louvar a Deus, ele ria e passava pra mim que tinha a certeza do controle da situação, embora eu pensasse comigo: isso nunca vai dar certo. Eu e outros passageiros abrimos as janelas do ônibus e tentávamos empurrar o ônibus contra as fachadas das casas, numa tentativa de deixa-lo mais fino e facilitar a passagem, mas sem sucesso algum. Mas o palhaço motorista, continuava fazendo as mesmas coisas , orava e forçava o motor. 

Então ele começou a cantar uma canção, não lembro qual, mas sei que o ônibus foi contagiando, não pela canção, mas pelo jeito que o motorista cantava, então todos nós começamos a cantar com ele, o ônibus parecia com aqueles melhores momentos de louvor que temos na igreja. Então num certo momento o grande batente ruiu, como uma areia movediça, e se tornou uma rampa bem íngreme e o ônibus começou a subir, continuando seu trajeto. 

Estávamos tão alegres por prosseguir. Então o motorista falou e todos calamos pra ouvir. Ele disse: Quem poderia ajudar a matar a minha fome, alguém tem uma sexta básica, ou algo que pudesse saciar a minha fome, minha e de minha família? Como aqueles pedintes que encontramos nos ônibus de nossas cidades. Diante disso todos os passageiros ficaram tão indiferentes, se faziam de surdos. Aquilo me comoveu, e eu pensei: porque não trouxe uma maçã pra ele, mas eu também estava indiferente, mas um pouquinho comovido por ele. Ao ver que estava sendo ignorado, ele muito sereno, nos olhou com olhos de compaixão se assentou e continuou a dirigir, só que dessa fez calado, ele não estava irado nem triste, apenas calado, como se quisesse nos ensinar algo com toda aquela situação.

Daí eu olhei pra trás, e um outro palhaço, que estava escondido no fundo do ônibus, deu um pulo pro meio do ônibus e gritou: Alguém tem a comida do motorista pra me dar? Esse outro palhaço era um homem sagaz, interesseiro, a pintura de sua boca era preta, ele inspirava medo. O meu irmão quando o viu, se escondeu na poltrona do ônibus, mas eu permanecia de pé olhando pra ele, embora indignado com o fato desse outro palhaço ficar pedindo as pessoas o que era de direito do motorista, pois foi ele que fez todo o trabalho pra nos levar ao nosso destino, mas não fiz nem falei nada. O outro palhaço queria ser como o motorista, e ficava zombando dele, e a maioria dos passageiros riam de suas palhaçadas, mas a viagem seguia. Então amanheceu e os raios de sol entraram pelas janelas de forma bem forte, então despertei do sonho.

Eu acordei ás 3:30 com a interpretação bem clara na minha cabeça. Creio que seja uma mensagem de Deus para nós. 

O ônibus é a igreja, o caminho estreito é o nosso chamado, o “Palhaço Motorista” é Jesus (palhaço porque nós cristãos temos sido escárnio aos olhos do mundo, verdadeiros cristão são dito como loucos pela sociedade, também representa minhas lembranças da infância: pureza e alegria), o “outro palhaço” é o diabo (o zombador escondido e imitando a Jesus).

O batente representa as dificuldades que vamos enfrentar, obstáculos que parecem colocar fim na nossa viagem, mas não temos que vencer na nossa força, pois temos a oração e o louvor para transformar o batente em rampa pra subir mais alto. Não são as músicas, mas a forma com que louvamos que fará a diferença e moverá o impossível a nosso favor. Louvemos como Jesus.

Jesus sempre nos pedirá, como igreja, a saciar sua fome de justiça social (Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; Mateus 25:42) embora muitos o ignorem e outros apenas se comovem (como eu, pensando em dar-lhe apenas uma pequena maçã). 

Minhas vestes é a do meu irmão serem de palhaços também é pra mostrar que somos, no reino do espírito, vestidos com as mesmas vestes de Jesus, temos sua autoridade (Mateus 28:18-20). O diabo sempre estará escondido esperando roubar aquilo que é de Deus em nossa vida. Tentando nos intimidar (meu irmão se escondendo na poltrona, se esquecendo de que suas vestes são iguais a do motorista) ou nos deixar sem ação (como eu perdido na minha indignação e sem me pronunciar e agir contra as suas más ações). 

Escrevo isso pra nossa edificação em Cristo, pra que possamos despertar, estar atentos ao que o Senhor deseja fazer em nós e através de nós. Não vamos desistir, a igreja precisa subir, chegar ao grande dia, ao seu destino final. Temos um papel fundamental, e o Senhor nos chama a usar as armas do louvor e da oração. Que Deus os abençoe.